Governo do Estado de Mato Grosso do Sul

‹ Voltar

Peça sobre Rubens Corrêa abriu nesta terça a Mostra Boca de Cena

  • 25 mar 2015
  • Categorias:Geral

IMG_2181 (1)

Campo Grande (MS) – A voz forte e expressiva de Marta Céu deu as boas vindas à plateia: “Bem-vindos à arte mais antiga do mundo – o teatro”. E revelou: “fazer teatro é um destino”. Assim começou uma noite que entra para a história do teatro do Estado.

A abertura oficial da Boca de Cena – Mostra Sul Mato Grossense de teatro reuniu artistas, diretores, produtores culturais de todo o Estado, autoridades e o governador Reinaldo Azambuja, no teatro Aracy Balabanian na noite dessa terça-feira (24). Essa foi a primeira vez que um governador prestigiou uma mostra de teatro realizada em Mato Grosso do Sul, o que, segundo o secretário de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação, Athayde Nery, mostra o comprometimento da atual administração estadual com a cultura.

Logo no começo Reinaldo Azambuja anunciou que o governo ampliará em 81% os recursos aplicados na produção teatral sul-mato-grossense. “O Prêmio Rubens Corrêa passará de R$ 140 mil para R$ 240 mil reais e o Circuito de Teatro, que percorre todo o interior, também receberá mais recursos. Dos atuais R$ 186 mil aplicados nos últimos sete anos iremos aportar agora R$ 350 mil”. Criado para fomentar a produção de espetáculos inéditos, o Prêmio Rubens Correa de Teatro financia a montagem de espetáculos, performances cênicas ou intervenções que são levadas ao público ao longo do ano. O governador disse que a meta é construir alicerces sólidos para uma política cultural para Mato Grosso do Sul porque “isso ninguém destruirá depois”.

O ator e diretor Espedito di Montebranco levou para o palco toda a paixão de Rubens Corrêa pelo teatro e pela obra de Antonin Artaud com o espetáculo “Rubens Corrêa – Um grande Artaud de Aqui…”. O texto tem trechos de obras de Artaud – poeta, ator, escritor, dramaturgo francês, interno em um asilo para loucos por quase uma década. Com uma interpretação intensa, Espedito conta parte da vida de Rubens Corrêa passando pela infância em Aquidauana, o período em um colégio interno no Rio de Janeiro até o encontro com o teatro e a obra de Artaud, encenada por ele por mais de dez anos.

Mas para os amantes do teatro a noite não terminou com o fim da apresentação e o fechamento das cortinas. Espedito di Montebranco se juntou a parte da platéia presente para um debate, com a crítica de teatro Luciana Romagnolli, sobre todo o processo criativo do espetáculo, que segundo ele, levou três anos para estar pronto para ser apresentado ao público.

O bate papo entrou noite adentro entre elogios, análises, sugestões e críticas. Tudo resumido nas palavras da secretária adjunta e atriz, Andréa Freire. “É, sem dúvida, um trabalho que mostra a força e a fragilidade do artista”.

A Mostra Boca de Cena é realizada em comemoração ao Dia Internacional do Teatro e Dia Nacional do Circo, 27 de março, e traz para a população uma programação com peças teatrais representativas da recente produção teatral do Estado.

Hoje, no segundo dia da Mostra, quarta-feira (25), às 14 horas, no teatro Aracy Balabanian, o público poderá conferir a peça “Era uma vez… Branca de Neve”, do Grupo Teatral Cênika, de Campo Grande (MS). O Núcleo Teatral Isadora, de Dourados, entra em cena com “Os Olhos que tivemos”, às 20h30, também no teatro Aracy Balabanian.

O Teatro da Orla Morena recebe no dia 26, às 19 horas, o espetáculo “Tudo Porã por Aqui”, de Emmanuel Marinho (Dourados – MS). Logo após, às 20h30, Rick Tibau apresenta “O Experimento Tirésias”, no Teatro Aracy Balabanian. Rick está satisfeito que o espetáculo tenha sido selecionado para a mostra, pois, para ele, o objetivo era que o trabalho fosse reconhecido pelo público de Mato Grosso do Sul.

A sexta-feira (27) traz a primeira pela da programação às 11 horas, no Calçadão da rua Barão do Rio Branco, em que a Cia. Última Hora de Teatro, de Dourados (MS), apresenta “Tristão e Isolda”. Às 14 horas, no Teatro Aracy Balabanian, a Associação Florescer do Cerrado, de Campo Grande (MS), encena “Dedo Verde”. O Teatral Grupo de Risco, da Capital, entra em cena na sede do grupo (rua José Antonio, 2170) com “Os Guardiões”, às 19 horas. Às 20h30 no Teatro Aracy Balabanian, o grupo Fulano di Tal, de Campo Grande (MS), encerra a programação do dia com “O Baixio dos Doidos”.

O último dia da Mostra, sábado (28), começa com “Tekoha – Ritual de Vida e Morte do Deus Pequeno”, do Teatro Imaginário Maracangalha, de Campo Grande (MS). A peça será encenada na Praça Ari Coelho, às 11 horas. O Mercado Cênico, da Capital, traz ao público “O Bote da Loba”, às 19 horas, na sede do Teatral Grupo de Risco (rua José Antonio, 2170). A antiga Estação Rodoviária será palco, às 20h30, de “Verdades Inversas”, do grupo Flor e Espinho Teatro, de Campo Grande (MS). Às 22h30, a Cia Maria Mole, de Corumbá (MS), encerra a Mostra com “E o meu cabelo arrepiou”, na Estação Ferroviária.

Todas as apresentações são gratuitas. Mais informações pelos telefones (67) 3318-9170 ou no site www.fundacodecultura.ms.gov.br

Texto: Tania Sother
Foto: Cátia Santos