Governo do Estado de Mato Grosso do Sul

Marco – III Temporada de Exposições 2011

Agosto a Outubro

Na exposição, “Recordações de uma paisagem não vista”, que esteve em cartaz no Centro Cultural Banco do Nordeste Brasileiro, nas cidades de Juazeiro do Norte e Fortaleza (CE), o artista plástico goiano, Divino Sobral, apresenta uma instalação de grande formato construída a partir de imagens e textos bordados em fronhas oxidadas. O suporte conecta o sonho, o sono e os processos mentais de formação e desenvolvimento da memória individual e coletiva que se cruzam por meio de conversas do artista com três cearenses.

Os diálogos narram recordações, paisagens, história, passado e lendas. A obra alinhava narrativas e promove um encontro com a memória do nordeste e do Ceará por meio da sua produção cultural, da sua inserção na história brasileira. Divino Sobral já participou de diversas exposições individuais e coletivas importantes no cenário nacional e internacional. Em 2009, recebeu a maior premiação no circuito artístico brasileiro, o Prêmio Marcantonio Vilaça, promovido pela Funarte e Ministério da Cultura (MinC).

Na sala, Museus, Mulheres e Memória, tema da 5ª Primavera de Museus lançado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) a mostra reúne obras de artistas plásticos do acervo do Marco que procura associar valores estéticos e morais às representações da figura feminina e às mudanças da representação da mulher na história da arte, bem como às técnicas utilizadas pelos artistas nas diferentes linguagens visuais.

Para Maria Adélia Menegazzo, crítica de arte da Associação Brasileira de Críticos de Arte, “O acervo do Marco se abre para novas abordagens neste recorte de obras que retrata a multiplicidade de imagens que a mulher pode assumir segundo a arte e na tipificação de seus papéis sociais. Questionando identidades, evocando estereótipos, buscando papéis alternativos ou simplesmente narrando acontecimentos. As representações femininas estão carregadas de memórias afetivas, públicas e privadas”.

A proposta do IBRAM tem o objetivo de levantar questões de gênero que vêm alcançando destaque e inspirando grandes exposições, novos museus, além de novas vontades de memória. Pensar o espaço das mulheres na memória histórica dos museus, espaços públicos e masculinos por excelência.

Já na exposição individual “Diálogos” do artista plástico de Brasília, Virgilio Neto. A mostra reúne mais de 100 trabalhos em desenho com a técnica do grafite. Propostas que refletem a pesquisa do artista com a imagem, fotografia e ilustração. “Esses desenhos são uma tentativa de estabelecer um diálogo com o universo de meu interesse, e utilizo minha arte como canal e ferramenta de exploração desse universo”, salienta Virgilio.