Governo do Estado de Mato Grosso do Sul

‹ Voltar

Lucrecia Martel é tema do 1º Ciclo de Cinema Latino Americano no MIS

  • 28 fev 2018
  • Categorias:Cinema

Lucrécia Martel é cineasta e também considerada uma pensadora contemporânea. Foto: Wikipedia

Campo Grande (MS) – Do dia  05 a 07 de março acontece o 1º Ciclo de Cinema Latino Americano no MIS (Museu da Imagem e do Som) e para homenagear as mulheres serão reproduzidas obras da cineasta argentina Lucrécia Martel.  Será também  aberta no dia (05.03) a exposição “Mulheres Protagonistas da nossa História”. As sessões acontecem às 19h com entrada de graça.

Lucrecia Martel nasceu em 14 de dezembro de 1966, na província de Salta, Argentina. Durante a adolescência gostava de filmar a sua numerosa família. Em 1986 mudou-se para Buenos Aires para cursar a Enerc (Escola nacional de cinematografia). Realizou alguns curtas, entre eles Rey Muerto (1995), que recebeu vários prêmios em festivais internacionais. Nos anos seguintes fez alguns documentários para a televisão e um programa infantil de humor negro, que recebeu prêmios da crítica argentina. Em 1999 recebeu o Sundance/NHK Filmaker Award pelo roteiro de La Ciénaga (O Pântano).

Já como uma diretora consagrada, em 2004, participou da Mostra Oficial do Festival de Cannes com seu segundo longa-metragem, La Niña Santa, que conta com a produção executiva dos irmãos Almodóvar.

Dentre sua filmografia estão: La Mujer Sin Cabeza (2008), La Niña Santa (2004), La Ciénaga (2001), Rey Muerto (1995), Besos Rojos (1991), Piso 24 (1989), El 56 (1988). A sua última obra é Zama de 2017, uma adaptação do livro homônimo, escrito por Argentine Antonio di Benedetto e publicado em 1956.

Neste primeiro ciclo, será debatido o papel das mulheres nas artes e em outras áreas, tendo o cinema como instrumento primordial e referencial nesse processo.

Para o curador da mostra e mestrando em Estudos de Linguagens pela UFMS, Miguel Ariza Benavides, o ciclo é para discutir o filme e debater o cinema bem como evidenciar o cinema latino-americano já que se tem pouco acesso a ele. “O MIS é uma janela para os filmes alternativos e é bom que esta janela seja aberta para os filmes latinos. O cinema latino-americano está se tornando importante tanto dentro de suas fronteiras como externamente”, ressalta Benavides.

A coordenadora do MIS, Marinete Pinheiro, acredita que haja uma barreira aos filmes latino-americanos por conta do idioma, já que geralmente os filmes são legendados em inglês.

Ainda no dia (05.03) às 19h será aberta a exposição “Mulheres Protagonistas da Nossa História” com fotografias e textos explicativos homenageando mulheres pioneiras que se destacaram ou ainda se destacam em várias áreas no Estado de Mato Grosso do Sul. Essa exposição já esteve aberta desde 2016 a visitação em diversos espaços de Campo Grande, bem como teve itinerância pelos municípios do interior.

Após as sessões, a cada dia  convidados irão debater com os expectadores acerca dos filmes exibidos. Serão emitidos certificados de participação àqueles que forem nos três dias.

Programação:

05.03 (segunda-feira)

La Cienaga (2001)

Convidados: Márcia Gomes, pesquisadora na área de audiovisual e docente na UFMD e José Carlos Costa, cinéfilo.

A cidade de La Cienaga é conhecida pelas extensões de terra que se alagam com as chuvas repentinas e fortes, formando pântanos que são armadilhas mortais para os animais da região. Perto da cidade fica o povoado de Rey Muerto, em que está localizado o sítio La Mandrágora, onde são cultivados pimentões vermelhos. Para ele vão duas famílias, lideradas por Mecha (Graciela Borges) e Tali (Mercedes Morán). Mecha é uma mulher em torno de 50 anos, que tem 4 filhos e um marido que procura ignorar bebendo cada vez mais. Já Tali é prima de Mecha e também tem 4 filhos, sendo que ama seu marido e sua família. Em meio a um verão infernal, as duas famílias entram em conflito quando a tensão entre elas aumenta.

06.03 (terça-feira)

La Niña Santa (2004)

Convidados:  Iasmim Amideu, jornalista e Katarini Miguel, docente na UFMS e Clayton Sales, jornalista e cinéfilo.

Amália (Maria Alche) e Josefina (Julieta Zylberberg) têm 16 anos e moram na cidade de La Ciénaga, na Argentina. Josefina pertence a uma família conservadora, enquanto a mãe de Amália, Helena (Mercedes Morán), é divorciada e dirige um hotel. Certo dia, após um ensaio de coral, as duas garotas se reúnem na igreja local para conversar sobre fé, vocação e segredos sentimentais. Pouco depois Amália conhece o doutor Jano (Carlos Belloso), que participa de uma conferência médica no hotel de sua família. O encontro leva a jovem a descobrir sua verdadeira vocação: salvar os homens do pecado.

07.03 (quarta-feira)

La Mujer Sin Cabeza (2008)

Convidados: Thathy DMeo, diretora teatral e Cândido Alberto da Fonseca, cineasta.

Verónica é uma dentista de classe média-alta, com boa vida familiar e afetiva. Um dia, enquanto dirige, ela se descuida e o carro acaba passando por cima de algo. Seria uma pessoa? Um animal? Apenas um objeto? Sem coragem de voltar ao local e descobrir o que realmente aconteceu, Verónica vê sua vida se destruir dia a dia, oprimida pela culpa de talvez ter assassinado alguém.

Serviço: O 1º Ciclo de Cinema Latino Americano acontece de 05 a 07 de março no MIS (Museu da Imagem e do Som) localizado no Memorial da Cultura Apolônio de Carvalho, na Av. Fernando Corrêa da Costa, no 3º andar. No dia 05.03 às 19h será aberto a exposição “Mulheres Protagonistas da Nossa História”. As sessões acontecem às 19h com entrada franca.