Governo do Estado de Mato Grosso do Sul

Concha Acústica – Histórico

O Parque das Nações Indígenas abriga muitas belezas em seus 119 hectares. Conjugando a beleza de um dos pontos turísticos da Capital com uma moderna infraestrutura, a Concha Acústica Helena Meirelles faz parte desta linda paisagem, celebrando a música e as artes cênicas sul-mato-grossenses.

A obra, iniciada em 1992 e paralisada em 1994, foi retomada e finalizada em outubro de 2004. Porém, a inauguração de fato foi marcante: uma apresentação da Dama da Viola, Helena Meirelles, na abertura do projeto Estação Cultura, em 13 de março de 2005.

Desde então o espaço abrigou diferentes projetos e propostas: Estação Cultura (2005 a 2009), Projeto Pixinguinha (2007 a 2008), Boca de Cena (2008), Arraial da Concha (2019), Danças Circulares (2006), Som das Águas, Festival Dança que a Cidade Dança (2006), Feira de Artesanato e Som da Concha (2007 até o presente). Também recebe apresentações e espetáculos produzidos por artistas locais, ensaios de teatro e música, aulas abertas, palestras e minicursos.

A arquibancada do palco principal – que conta com 18 metros de largura e 7 metros de comprimento, referência no Estado – comporta 1.050 pessoas. Já o Teatro de Arena conta com 450 lugares. Ambos são independentes e podem ser usados simultaneamente.

Em março de 2019 foi iniciada a revitalização do espaço, que estava deteriorado, sem equipamentos e a ponto de ser fechado. Com metodologia, vontade de fazer a diferença e carinho, servidores, gestores e amigos finalizaram a reforma interna, tornando operacionais os cinco camarins, salas, depósitos e arquivos.

Por meio de doação da Superintendência Estadual da Receita Federal, o espaço foi reequipado. Também foi possível doar eletrônicos e modernos equipamentos de áudio, vídeo e acessórios para todas as unidades da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, em um investimento de R$ 42 mil.

Relembre a inauguração da Concha Acústica Helena Meirelles, com o show da Dama da Viola, clicando aqui.